quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

Talvez sempre, talvez nunca.

É quando...
Acordas e sorris sem saber porquê
Sentes a liberdade no vento que te toca
E o amor no sol que te aquece.
É quando te sentes feliz sem razão
E te deparas perdida no mundo dos sonhos
É quando não há como, porquê ou quando
É quando simplesmente há e simplesmente é.
É quando nem sabes se faz sentido o que dizes
Mas faz sentido dize-lo ao senti-lo.
Mas...
É nestas alturas que voltas a acreditar
Que voltas a desejar sem meios nem medidas
Que voltas a sonhar sem restrições ou impedimentos
Que voltas a sentir-te livre como um passarinho que voa
E com a força de um leão que ruge e domina o seu mundo.
Sentes uma grande empatia para com a vida
Desejando apenas ama-la e esboçar-lhe um sorriso.
Será felicidade? Será real? Será ilusão?
Não sabes o que é, nem até quando dura
Hoje, amanhã, depois...
Tavez, sempre...
Talvez, nunca.


11 comentários:

Annie disse...

Ah, finalmente um novo texto. Estavas inspirada! :) vónito.

Miau disse...

o' mulher como eu entendo esse texto! =P

tao lindo ^^

beijinhoo amor da minha vida ***

PaulaPan disse...

Ola minha linda... Gostei xD

bj

Someone lost in a crazy world... disse...

É rara de aparecer, mas quando aparece...

Beijinho*

JORGE D'MORAES disse...

Nossa... isso sim é inspiração. Oi.. rsrs gostei do seu blog menina... passional,intenso... arte segue essas linhas....

qdo tiver um tempo, olha o meu blog de crônicas, ok?

beijo

PaulaPan disse...

desafiada no meu blog xD

zequinhas disse...

Eu tenho a certeza que será felicidade...a duração, essa será eterna enquanto durar.

bj =)

Ricardo disse...

Nem sempre conseguimos destingir, a realidade da ilusão, nem sempre é facil!

Beijo :)

braulio disse...

que lindas palavras adorei..
doce poema...
beijos ..

Pedro Barata disse...

Gostei. Parabéns.
Saudações

Christiana disse...

adorei! ;)
parabéns e um beijinho*